Leitura Obrigatória: O porque do episódio 04×08 de “Korra” ser uma recapitulação

bryan
Mais um capítulo do descaso da Nickelodeon com a Franquia Avatar.

Em seu blog no tumblr o co-criador da franquia, Bryan Konietzko relata o porquê do oitavo capítulo da última temporada de “A Lenda Korra” ser um episódio fora do padrão da série, por favor, se você é fã de “Korra” leia cada linha porque vale a pena, mas antes, um agradecimento muito especial para as benders Carolina de Souza e Kamila Benevides que fizeram gentilmente a tradução do post original que você pode encontrar clicando aqui.

Algumas palavras em antecipação ao Episódio 4×08, “Lembranças”…

Em algumas horas o oitavo episódio do Livro 4 de Korra será lançado online, e eu imagino que ao assistir os primeiros minutos você irá se sentir enganado e gritará para a tela: “Ei! Isso é um episódio de flashbacks mal feito!” E isso é (quase) o que o episódio é – exceto que todos nós trabalhamos muito para garantir que pelo menos o episódio não seja mal feito. Estou aqui para explicar porque precisamos ter de fazer um. Em algum momento, mais ou menos um ano e meio atrás, fomos similarmente enganados numa grande escala. Recebemos as notícias de nossos superiores de que o orçamento do Livro 4 estava sendo cortado – perdemos o dinheiro equivalente a um episódio quase inteiro. Tivemos duas alternativas: 1) Demitir uma quantidade significativa da equipe com muitas semanas de antecedência, ou 2) Fazer um episódio de flashbacks. Nunca consideramos a primeira opção. Não iríamos fazer aquilo com nossa equipe, e mesmo se fôssemos cruéis o suficiente para fazer, nunca seríamos capazes de finalizar a temporada sem eles. Mas tendo crescido assistindo TV nos anos 80 e 90, todos nós tememos episódios de flashback, em que personagens dizem “Lembra aquela vez quando…” e cenas antigas são recicladas para o tédio geral. Qualquer um que sofreu com o episódio de Star Trek: The Next Generation “Shades of Gray” sabe exatamente do que estou falando.

Fãs de anime sabem que essa é uma ocorrência comum em séries japonesas também. Na verdade, enquanto Mike abaixava sua cabeça de desapontamento com nosso destino, me lembrei de como um de meus favoritos animes, Samurai Champloo, fez um episódio de flashbacks incrível e inteligente, na minha opinião. Eles combinaram mais ou menos 5 minutos de cenas inéditas com cenas antigas, e montaram um contexto num qual os personagens refletiam sobre acontecimentos passados ao narrá-los, oferecendo à audiência novos pontos de vista ou ao menos proporcionando humor. Ofereci essa abordagem à Mike e ele concordou que essa era a melhor maneira de transformar esse limão enorme numa limonada.

Nos tempos de Avatar fizemos um tipo de episódio de flashbacks, apesar de toda a animação ter sido inédita e muito difícil de produzir – o episódio 3×17, “Os Atores da Ilha Ember.” Nossos heróis foram assistir a uma peça de teatro onde eles viram a si mesmos e suas jornadas sendo representados por atores num palco. Foi simultâneamente um momento de reflexão para os personagens antes deles mergulharem no grande desfecho, e uma oportunidade de brincar e tirar sarro de nossa própria série de uma maneira leve e divertida, antes das coisas ficarem sérias nos episódios finais. O episódio “Lembranças” de Korra acabou tendo uma função parecida, porém com cenas antigas em vez de uma nova animação. Há cerca de 5 minutos de cenas inéditas, animadas maravilhosamente pelo Studio Mir, e um monte de narrações engraçadas e emocionantes dos personagens. Também há chibis divertidos e outros agrados, para dar uma animada nas cenas antigas.

O que começou como uma escolha relutante acabou se tornando um episódio realmente divertido de se fazer, e no final eu realmente o amo. Mike fez um trabalho incrível ao dirigi-lo e criar os hilários storyboards envolvendo os chibis, e também ao supervisar o maravilhoso roteiro de Josh Hamilton, Katie Matilla e Tim Hendrick. Joaquim Dos Santos, Ryu Ki Hyun e Lauren Montgomery desenharam fantásticos storyboards para as cenas inéditas (particularmente a insana pose de Varrick desenhada por Lauren). Muitas outras pessoas trabalharam duro nesse episódio, incluindo Amaris Calvin, nossa editora de animação; Christie Tseng, nossa designer de personagens que desenhou e coloriu toda a arte final dos chibis; Matt Gadbois, nosso editor do After Effects; e Chris Hink, nosso editor de fotografia final. Por último mas não menos importante, Aran Tanchum e Vinny Guisetti do som, Benjamin Wynn no design de som, e uma trilha sonora espetacular com todas as suas músicas favoritas compostas por Jeremy Zuckerman. E mais um monte de outras pessoas incríveis de quem estou esquecendo!

Agora vocês sabem o que o episódio é, e porque ele aconteceu. Espero que vocês acabem gostando dele, especialmente por ele ser um último episódio leve, brincalhão e nostálgico antes das COISAS. FICAREM. SÉRIAS. E aí a série termina.

Com amor, Bryan.

O que você achou? Deixe um comentário!

Você pode gostar...